Project Noah

Project Noah is a tool to explore and document wildlife and a platform to harness the power of citizen scientists everywhere.

Join Project Noah Today

Bananaquit / Cambacica

Coereba flaveola ssp.

Description:

(Linnaeus, 1758)

Aves: Psittacopasserae: Passeriformes: Passeri: Passerida: Thraupidae: Coerebinae

Medida/Measure: ~10,8cm.

Weight/Peso: ~10g.

Hora/Hour: 14:49:48 / 02:49:48pm.

Outros nomes: mariquita, chupa-mel, til (Rio Grande do Norte) chiquita (Rio de Janeiro), sebinho (Minas Gerais), caga-sebo, cabeça-de-vaca (interior de São Paulo), sibite e chupa cajú (Ceará), sebito e guriatã-de-coqueiro (Pernambuco), sebinho, papa-banana (Rio Grande do Sul), saí e tem-tem-coroado (Pará), sibito-de-manga (Maranhão), chupa-lima (Paraíba).

Habitat:

Desde áreas de matagal até beiradas de baixas florestas tropicais, e habitats Urbanos e Suburbanos. Este foi achado em habitat Suburbano.

Scrubland to tropical lowland forest edges, Urban and Suburban habitats. This one was found in a Suburban habitat.

Notes:

Coereba flaveola é a única espécie do gênero Coereba e pertence à classe Aves, superordem Psittacopasserae, ordem Passeriformes, subordem Passeri, parvordem Passerida, superfamília Passeroidea, família Thraupidae e subfamília Coerebinae.

Os adultos possuem cores mais vivas comparadas às cores mais opacas dos jovens. O dimorfismo sexual é muito sutil; a cabeça das fêmeas PODE ser ligeiramente mais escura, o papo atenuadamente mais claro, o ventre é de um amarelo oliváceo mais atenuado.

5 das 41 subespécies podem ser vistas no Brasil:

Coereba flaveola alleni (Lowe, 1912): Mato Grosso (Brasil) e Bolívia;
Coereba flaveola chloropyga (Cabanis, 1850): Sul do Peru, Bolívia, Paraguai, Brasil e Nordeste da Argentina;
Coereba flaveola intermedia (Salvadori & Festa, 1899): Sudoeste da Colômbia, Norte do Peru, Sudoeste da Venezuela, Oeste do Brasil;
Coereba flaveola minima (Bonaparte, 1854): Leste da Colômbia, Sul da Venezuela, Guianas, Norte do Brasil;
Coereba flaveola roraimae (Chapman, 1929): Tepuis do Sudeste da Venezuela, Noroeste do Brasil e Sudoeste da Guiana.

Desconheço o quão certeira é esta informação sobre a distribuição das subespécies e desconheço qual a subespécie do sujeito retratado.

Medem aproximadamente 10,8cm e pesam cerca de 10 gramas. São normalmente confundidos com os Pitangus sulphuratus (Linnaeus, 1766) ("Bem-te-Vi") dado sua aparrência mas podem ser facilmente diferenciados através de um olhar mais aproximado. Ambos os machos e as fêmeas de Coereba flaveola possuem uma característica barriga amarela com uma listra negra indo do pescoço ao bico, uma listra cinza-esbranquiçada acima da listra previamente mencionada, e o topo da cabeça é negro. O pescoço, excluindo as listras, é cinza-esbranquiçado e as asas são um tom mais escuro de cinza comparado ao pescoço. A área dorsal é amarronzada e há áreas escuras nas beiradas das asas. Alguns indivíduos podem apresentar flavismo, uma ausência parcial de melanina que faz com que o pássaro apresente cores mais claras.

São pássaros muito ativos e conduzem movimentos acrobáticos ao forragearem por fontes de alimento, que incluem néctar (este sendo o motivo de algumas vezes serem confundidos com beija-flores), Artrópodes e frutas. Seu método de extração de néctar é agressivo e invasivo, onde o bico perfura o cálice da flor, potencialmente danificando-a. As frutas apreciadas por esses pássaros incluem banana (daí o nome comum em Inglês "bananaquit"), mamão e melancia.

O ninho é esférico e construído no alto pelo casal para reprodução ou para repousar durante a noite. Dois ou três ovos amarelo-esbranquiçados com manchas marrom-avermelhadas são depositados por vez e a incubação é feita exclusivamente pela fêmea. Reproduzem-se o ano todo.

Possuem o hábito de constantemente se limparem dado o contato com suas fontes de alimento. Geralmente vivem de forma nômade e solitária ou em pares. Podem ameaçar potenciais inimigos ao se esticarem verticalmente e vibrarem as asas. Esse pássaro é muito agressivo. Os movimentos acrobáticos conduzidos incluem se pendurar de cabeça pra baixo e em outras posições, como retratado.

Diferentemente de beija-flores, Coereba flaveola possuem curtos bicos curvados para baixo, fazendo com que tenham que perfurar a flor para obter o néctar. Podem ser vistos em ambientes antrópicos, tal como em cidades interioranas rurais onde são visitantes de jardins floridos. Pontos de encontro de beija-flores geralmente são pontos de encontro para os Coereba flaveola. Fora dos ambientes antrópicos, habitam desde áreas de matagal até as margens de baixas florestas tropicais. Eu documentei o macho e a fêmea de Thalurania glaucopis momentos antes de documentar este Coereba flaveola. Gostam de vegetações rasteiras e trepadeiras para se pendurarem. Em cidades interioranas eles tendem a ser bem menos agressivos. Pude me aproximar de alguns durante minha estada em Santa Catarina e eles não pareceram se importar.

Geralmente, bebedouros não são recomendados para alimentar beija-flores pois a maioria das pessoas não sabe usá-los adequadamente e isso pode causar danos ao beija-flor. Consequentemente, os Coereba flaveola também podem assimilar o local como um ponto de encontro de nutrição e continuar a visitar os bebedouros que, se utilizados incorretamente, podem prejudicar a saúde dos Coereba flaveola.

A diferenciação entre as 41 subespécies reconhecidas é feita através da coloração da garganta (normalmente branca, cinza ou preta), a presença ou ausência de uma mancha branca na asa, o comprimento do bico, a extenção do amarelo nas partes inferiores, etc. No Oeste das Índias uma variação inteira de cor da plumagem é frequente. Em alguns casos, podem ser vistos em pequenos grupos.

Fontes:

https://neotropical.birds.cornell.edu/Sp...

http://www.iucnredlist.org/details/22722...

http://passarinhando.com.br/index.php/co...

https://avibase.bsc-eoc.org/species.jsp?...

http://www.wikiaves.com.br/cambacica

http://apassarinhologa.com.br/cambacica-...

ENGLISH VERSION HERE:

Coereba flaveola is the sole species in the genus Coereba and belongs in the class Aves, superorder Psittacopasserae, order Passeriformes, suborder Passeri, parvorder Passerida, superfamily Passeroidea, family Thraupidae and subfamily Coerebinae.

Adults possess brighter colors compared to the dull color of the young. Sexual dimorphism is very subtle; the head of females might be slightly darker, the chest slightly brighter, the belly with a slightly more olivaceous yellow coloring.

5 of the 41 subspecies can be found in Brazil:

Coereba flaveola alleni (Lowe, 1912): Mato Grosso (Brazil) and Bolivia;
Coereba flaveola chloropyga (Cabanis, 1850): Southern Peru, Bolivia, Paraguay, Brazil e Northeastern Argentina;
Coereba flaveola intermedia (Salvadori & Festa, 1899): Southwest Colombia, Northern Peru, Southwestern Venezuela, Western Brazil;
Coereba flaveola minima (Bonaparte, 1854): Eastern Colombia, Southern Venezuela, Guyanas, Northern Brazil;
Coereba flaveola roraimae (Chapman, 1929): Tepuis of Southeastern Venezuela, Northwestern Brazil e Southwestern Guyana.

I'm unaware how accurate the subspecies distribution information is, and I'm unaware which subspecies is the one portrayed.

They measure approximately 10,8cm and weight around 10 grams. They are often mistaken with Pitangus sulphuratus (Linnaeus, 1766) ("Great Kiskadee") due to their appearance but can be easily differentiated through a closer look. Both the males and the females of Coereba flaveola possess a characteristic yellow belly with a black stripe going from neck to beak, a whitish-grey stripe above the aformentioned stripe, and the top of the head is black. The neck, excluding those stripes, is whitish-grey and the wings are a darker grey than the neck. The dorsal area is brownish and there are dark parts on the edges of the wings. Some individuals may present flavism, which is the partial absence of melanine, making the bird have lighter colors.

They are very active birds and perform acrobatic movements when foraging for food sources, which include nectar (hence why they are sometimes mistaken with hummingbirds), Arthropods and fruits. Their method of extracting nectar is aggressive and invasive in which the beak pierces the calyx of the flower, potentially damaging it. Fruits appreciated by this bird includes banana (hence the common name "bananaquit"), papaya and watermelon.

The nest is spherical and built high by the couple for reproduction or for night time roosting. Two to three whitish-yellow eggs with reddish-brown dots are laid at a time and incubation is done exclusively by the female. They reproduce year round.

They have a habit of constantly cleaning themselves due to the contact with their food sources. They usually live a nomad, lonely life or in pairs. They can threaten potential enemies by stretching itself upwards and vibrating the wings. This bird is very aggressive. The acrobatic movements performed include hanging upside down and in many other positions like the example of the subject portrayed.

Differently from hummingbirds, the Coereba flaveola possess short, down-curved beaks, hence why they need to pierce the flower to obtain the nectar. They can be found in anthropic environments as well as rural backwater towns and after often visitors to gardens with flowers. Hotspots for hummingbirds are usually hotspots for Coereba flaveola. Outside the anthropic environments, they also inhabit scrubland to tropical lowland forest edges. I have documented both a male and a female of Thalurania glaucopis moments before documenting this Coereba flaveola. They like creeping vegetation to hang on. In rural towns they tend to be much less aggressive. I could get close to some of them during my stay in Santa Catarina and they didn't seem to care.

Bottles of water are not generally recommended to feed hummingbirds, as most people don't know how to use them correctly and it can cause damage to the hummingbird. Consequently, the Coereba flaveola can also assimilate a place as a hotspot for nourishment and keep visiting the water bottles that, when incorrectly used, will also harm the health of the Coereba flaveola.

The differentiation between the 41 recognized subspecies is done through the color of the throat (usually white, grey or black), the presence or absence of a white spot on the wing, the length of the bill, the extent of yellow on the underparts, etc. In the West Indies an entirely sooty color morph is frequent. In some cases, they can be found in small groups.

Sources:

https://neotropical.birds.cornell.edu/Sp...

http://www.iucnredlist.org/details/22722...

http://passarinhando.com.br/index.php/co...

https://avibase.bsc-eoc.org/species.jsp?...

http://www.wikiaves.com.br/cambacica

http://apassarinhologa.com.br/cambacica-...

No species ID suggestions

SC, Brazil

Lat: -26.77, Long: -49.36

Spotted on Sep 12, 2017
Submitted on May 2, 2018

Related spottings

Bananaquit Bananaquit Bananaquit Cambacica

Nearby spottings

Zebra Beetle / Besouro-Zebra Unknown spotting Hyalurga Tiger Moth / Mariposa-Tigre-Hyalurga Wandering Spider / Aranha-Errante